terça-feira, 22 de maio de 2018

Rho Ophiuchi - Uma imagem, muitas conclusões



No último fim de semana foi realizado o 33° Encontro Observacional do CASB, em Padre Bernardo, Goiás. Eu só tive uma noite de fotografia. Apesar de ter chegado na sexta, a madrugada de sábado para domingo teve direito até mesmo a uma chuva que durou horas, eliminando qualquer possibilidade de fotografia no segundo dia. Esse é um tipo de coisa que os encontro de observações ou mesmo de astrofotografia astronômica estão sempre com risco de presenciarem, ainda mais no mês de maio, quando a época das chuvas ainda não exatamente terminou no Brasil Central.

Na sexta-feira, como fui direto do trabalho para o evento, não consegui virar a noite fotografando. Só fiz uma única imagem, que, apesar de tudo, foi feita com cuidado e, como eu estava usando um setup totalmente novo, acabou se tornando uma boa fonte de assunto para este blog, que andava meio parado (eu cheguei até mesmo anunciar que estava encerrando as atividades, mas voltei atrás diante do clamor popular).

O objeto registrado foi o complexo nebular Rho Ophiuchi. O setup de captura foi composto pela lente Canon EF 200mm f/2.8L II USM, montagem Ioptron Skyguider Pro e câmera QHY163m com filtros LRGB da Optolong. Foi a primeira vez que usei esse setup. Ao todo foram 90 frames de um minuto para a Luminância e 12 frames de 1 minuto para cada uma das cores.

A imagem registrada você vê no alto do post, o resultado dela e, principalmente, a experiência de captura e processamento, me fez chegar a várias conclusões sobre o equipamento utilizado que preciso compartilhar com vocês.

A Câmera QHY163m é de uma versatilidade incrível para trabalhar com trackers e lentes.

Eu já tinha tido algumas experiências com a QHY163m que, na verdade, tinham me deixado um pouco decepcionado com esta câmera monocromática resfriada com sensor de 4/3 polegadas. Sempre que tentava elevar o ganho da câmera, o resultado eram frames com muitas áreas mais claras ou escuras, que não eram ajustados nem com o uso de dark frames. Comecei a achar que o ganho dessa câmera era algo inútil, mas percebi que, quando os frames são mais curtos, o ganho mais elevado não deixa marcas na imagem nem quando fazemos a integração sem dark frames, mostrando que a QHY163m é uma câmera fabulosa para se fazer capturas quando o tempo de exposição por frames precisa ser mais curto, de cerca de um minuto. Na captura acima, usei ganho de 200.
O aumento do ganho, é claro, traz mais ruído, mas é compensado por podermos fazer uma quantidade maior de frames no mesmo intervalo de tempo em que faríamos frames longos sem ganho. Só fique atento com áreas muito brilhantes na imagem, pois a elevação do ganho tende a diminuir o range dinâmico da câmera, o que pode fazer áreas mais brilhantes estourarem com facilidade.

A Guiagem do Ioptron Skyguider Pro funciona muito bem

Os frames da captura acima foram de apenas um minuto. Não parece nenhuma novidade. Eu já tinha conseguido um minuto por frame com lente de 200mm até com o Ioptron Skytracker, tracker sem guiagem que eu tive antes de comprar o Skyguider Pro. Mas não se deixe enganar, eu coloquei um miniguider de 50mm com câmera QHYIII-224c no lugar do contrapeso e o resultado é que, com o polo alinhado e a guiagem ativada, praticamente não havia deslocamento de um frame para outro. Tanto que eu capturei por mais de duas horas sem precisar tocar na montagem para fazer ajuste de enquadramento, algo que eu sempre tinha que fazer em capturas mais longas com o Skytracker. No fim da captura, resolvi fazer um frame de 3 minutos só pra analisar a precisão da guiagem e as estrelas estavam perfeitas. Mais ainda, não houve um único frame com erro de guiagem. Eu pude aproveitar tudo o que capturei, enquanto com o antigo Skytracker a perda chegava perto dos 40%. Realmente o recurso de guiagem faz uma diferença gigantesca nesta montagem, mesmo ela sendo tão pequena.

Eu estava bastante cético com a guiagem do Ioptron Skyguider Pro, por ele só ter motorização no eixo de ascensão reta, não permitindo qualquer correção na declinação. Mas, se a montagem estiver bem alinhada no polo e com boa correção da ascensão reta, a falta de correção de declinação não faz muita falta.

O ponto fraco do Ioptron Skyguider Pro em relação a Sky-Watcher Star Adventurer

Neste Enoc, pude comprovar como o Skyguider Pro é uma evolução tremenda em relação ao Skytracker (Eu sei! A semelhança dos nomes das montagens não ajuda no texto). Mas e em relação ao seu principal concorrente, O Sky-Wacher Star Adventurer? Bem, preciso dizer que o Skyguider tem um ponto fraco. Ambas as montagens não tem motorização no eixo de declinação, mas só o Star Adventurer tem um ajuste fino manual para este eixo, algo que, no fim, faz uma diferença enorme quando você está fazendo ajustes de enquadramento usando lentes de maior distância focal. Um colega que estava ao meu lado percebeu a dificuldade que foi conseguir colocar M4 e Antares onde eu queria na imagem acima.

Devo ser sincero e dizer que hoje, o Skyguider é um ótimo equipamento, muito superior ao Ioptron  Skytracker. mas colocado de frente com o Star Adventurer, este ajuste fino no eixo de declinação me faria optar pelo equipamento de Sky-Watcher.

Os filtros Optolong tem o melhor custo benefício possível

Lá no Enoc alguém comentou comigo que a Astronomik, fabricante de filtros caros, está processando a Optolong por quebra de patente. Faz sentido. Esses filtros Optolong são realmente assombrosos. Elas custam muito barato e oferecem qualidade de filtros de primeira linha. Ao integrar os canais de cor, eu já vi Rho Ophiuchi em cores perfeitas e lindas, só aumentei a saturação, pois esse é um objeto que sempre recebe muito tratamento. Os filtros são totalmente parafocais e de uma fidelidade de cores incrível na hora de integrar os canais. Estão anos luz dos filtros genéricos que adquiri de uma loja portuguesa alguns anos atrás e estragaram muitas capturas.

Por fim, posso dizer que a minha noite de sexta para sábado no Enoc foi das mais agradáveis que já tive. Abaixo, deixo imagens do setup utilizado. Com um setup tão leve e capaz de fazer imagens tão boas e sem muita complicação, se continuar assim, daqui a pouco não vou querer levar o telescópio e a HEQ5 para o EBA. 

Setup utilizado na imagem acima e principais componentes.

No meu setup há algo que ainda não vi alguém utilizando: Porta Filtros de Gaveta. Eles permitem a QHY163m conseguir foco com a lente e trocar os filtros da captura sem precisar retirar a câmera. É um pouco mais complicado do que uma roda de filtros, mas também mais leve. Clique aqui para ver onde comprar o adaptador no Aliexpress






4 comentários:

  1. Que bom Rodrigo que você resolveu deixar o blog ativo. Admiro muito o seu trabalho. Tenho lido bastante suas postagens (aqui e no Instagram) estou encaminhando a compra do seu livro. Embora eu domine um pouco ppr ser fisico e ter feito disciplinas acadêmicas e cursos na área, sei muito pouco sobre fotografia. Meu próximo passo é começar a montar o meu setup. Parabéns pelo trabalho de divulgação científica que faz.
    Quando tiver com meu setup vou visitá-lo em Aguas Claras. Embora eu seja natural de BH moro ha 8 anos bem pertinho daí (Unaí-MG - 155km), tenho amigos em BSB também. No mais, forte abraço e continue a nós nós brindar com o conhecimento.

    ResponderExcluir
  2. a fotografia as filmagens tem o poder de alavancar qualquer negócio.

    ResponderExcluir
  3. Bom dia Rodrigo, também gostei em poder ter o seu blog como consulta diária. No site Astrobin você publicou a foto do NGC 6357, usando fotos RGB anteriores com outra capturada em Ha recentemente. Pra processá-las tem algum macete para integrá-las, tendo em vista que não foram capturadas no mesmo dia e talvez em horário e posição diferentes?

    ResponderExcluir
  4. Olá, Rodrigo. Muito legal que você decidiu não descontinuar o blog. Ele é fonte de informação e inspiração pra muitas pessoas. Bela foto!

    ResponderExcluir

Eu tenho me esforçado para responder todos os comentários, mas posso demorar um pouco, ou mesmo esquecer algum. Por isso, peço paciência e não fiquem constrangidos de me darem um toque, caso eu esteja demorando demais.